Terça-feira, 19 de Outubro de 2010

 

 

 

ELA tinha planeado aquela aquisição há algum tempo. Pediu ao cunhado - o engenhocas -, as referências do aparelho, pois sozinha não era capaz de tamanha façanha.

Foi num sábado de manhã que me entrou pela casa dentro com o olhar radiante e um sorriso a afundar-lhe as covinhas das faces. Vinha abraçada a uma caixa de cartão, enquanto o rapaz vinha atrás muito surpreendido com a alegria dela.

Mais surpreendido fiquei eu com aquela eficiência e autonomia conjugal. Contou que fora muito simples. Chegou à loja do hipermercado; deu a referência e pronto!, comprou o tão desejado aspirador de água. Acabava-se a freima dos sacos de papel.

Fomos os dois para a cozinha abrir a caixa e montar o dito aparelho: peça a peça. Tudo muito fácil.

 

AMBOS satisfeitos, eu fui tomar banho e ela dar braços à inovação. Quando ia a entrar no chuveiro chamou-me preocupada com o aparelho porque, afinal, não funcionava. Devia ter algum problema. Devia estar avariado. Com o olhar muito aflito, mostrava-me como tudo estava bem encaixado. Retirava e punha as peças. Mas o aspirador não aspirava. Fazia barulho, mas nada de puxar o pó. Olhei o depósito da água e reparei que estava quase cheio. E ela sempre a mexer nas peças. Então, sem consultar o manual de instruções, peguei no aspirador e concentrei-me no depósito. Lá estava bem visível uma linha horizontal encimada pelas letras "MAX H2O”. A água que tinha posto inundava, largamente, aquele limite.

 

OLHÁMO-NOS e rimo-nos. Ela tinha previsto tudo, menos aquele pormenor. Estava rendida aos benefícios da cooperação conjugal. Depois daquela braçada luminosa, eu já podia ir tomar banho ainda mais satisfeito. Ao largo do seu olhar, sob a precipitação, ria-me daquele golpe de visão que me tinha salvado a manhã.

 

 

 



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:10
Domingo, 17 de Outubro de 2010

Reino maravilhoso.

Miguel Torga, in Portugal, 7.ª edição, página 23



publicado por Paulo Moreira Lopes às 23:08
Sábado, 09 de Outubro de 2010

 

A Maria Lionça

Galafura, vista da terra chá, parece o talefe do mundo. Um talefe encardido pelo tempo, mas de sólido granito. Com o céu a servir-lhe de telhado e debruçada sobre o Varosa, que corre ao fundo, no abismo, quem quiser tomar-lhe o bafo tem de subir por um carreiro torto, a pique, cavado na fraga, polido anos a fio pelos socos do Preguiças, o moleiro, e pelas ferraduras do macho que leva pela arreata. Duas horas de penitência.
Lá, é uma rua comprida, de casas com craveiros à janela, duas quelhas menos alegres, o largo, o cruzeiro, a igreja e uma fonte a jorrar água muito fria. Montanha. O berço digno da Maria Lionça.
Fala-se nela e paira logo no ar um respeito silencioso, uma emoção contida, como quando se ouve tocar a Senhor fora. E nem ler sabia! Bens - os seus dons naturais. Mais nada. Nasceu pobre, viveu pobre, morreu pobre, e os que, por parentesco ou mais chegada convivência, lhe herdaram o pouco bragal, bem sabiam que a grandeza da herança estava apenas no íntimo sentido desses panos. Na recatada alvura que traziam da arca e na regularidade dos fios do linho de que eram feitos, vinha a riqueza duma existência que ia ser a legenda de Galafura.
Quando Deus a levou, num Março que se esforçava por dar remate prazenteiro a três meses de invernia sem paralelo na lembrança dos velhos, Galafura não quis acreditar. Embora a visse estendida no caixão, lívida e serena, aspergia sobre o cadáver a água benta do costume, sem que o seu rude entendimento concebesse o fim daquela vida. O próprio Prior, tão acostumado à transitória duração terrena, ao ser chamado à pressa para lhe dar a extrema-unção, ungiu-a como se ela fosse mãe dele. Tremia. Até o latim lhe saía da boca aos tropeções, parecendo que punha mais fé no arquejar do peito da moribunda do que na epístola de S. Tiago. Apenas o Dr. Gil, o médico, a tomar-lhe o pulso e a senti-lo a fugir, não teve qualquer estremecimento. Receitou secamente óleo canforado e saiu. Mas o Dr. Gil pertencia a outros mundos.
Médico municipal em Carrazedo, vinha a quem o chamava, dando a santos e a ladrões a mesma tintura de jalapa e a mesma digitalina. Por isso, a insensibilidade que mostrou não teve signíficaçâo para ninguém. A rotina do oficio empedernira-lhe os sentimentos. O ele declarar calmamente, já no estribo do cavalo, que não havia nada a fazer, foi como se um vedor afirmasse que a fonte da Corredoura ia secar. Sabia-se de sobejo que a fonte da Corredoura era eterna, por ser um olho marinho. E assim que a moribunda exalou o último suspiro, e do quarto a Joana Ró deu a notícia, lavada em lágrimas, cá de fora respondeu-lhe um soluço prolongado, que, em vez de embaciar nos espíritos a imagem da Maria Lionça, a clarificava. E o enterro, no outro dia pela manhã, talvez por causa do ar tépido da primavera que começava e da singeleza das flores campestres que bordavam as relheiras do caminho, pareceu a todos uma romagem voluntária e simples ao cemitério, onde deixavam como uma Salve-rainha pela alma dos defuntos o corpo da Maria Lionça. Não. Não podia morrer no coração de ninguém uma realidade que em setenta anos fora o sol de Galafura.
Em pequenina, logo o seu riso escarolado encheu a aldeia de lés a lés. Velhos e novos acostumaram-se desde o primeiro instante àquele rosto miúdo e rosado3 onde brilhavam dois olhos negros e perscrutadores. Depois, durante a meninice e a mocidade, foi ela ainda o ai Jesus da terra. Qualquer coisa de singular a preservava do monco das constipações, dos remendos mal pregados, das nódoas de mosto nas trasfegas. Airosa e desenxovalhada, dava o mesmo gosto vê-la a guardar cabras, a comungar ou a segar erva nos lameiros. E quando, já mulher, se falava pelas cavas nas moças casadoiras do lugar, nenhum rapaz lhe pronunciava o nome sem uma secreta emoção. Além de ser a cachopa mais bonita, dada e alegre da terra, era também a mais assente e respeitada. Quer nas mondas, quer nas esfolhadas, o seu riso significava tudo menos licença. E ninguém lhe punha um dedo. Olhavam-na numa espécie de enlevo, como a um fruto dum ramo cimeiro que a natureza quisesse amadurecer plenamente, sem pedrado, num sítio alto onde só um desejo arrojado e limpo o fosse colher. Embora igual às outras, pela pobreza e pela condição, havia à sua volta um halo de pureza que simbolizava a própria pureza de Galafura. Na pessoa da Maria Lionça convergiam todas as virtudes da povoação. Quem é que merecia a dádiva de uma riqueza assim?
Foi preciso que o Lourenço Ruivo acabasse a militança e voltasse a Galafura com a mão mais apurada para apertar a dela sob a estola. O padre Jaime, o prior de então, abençoou-os como se fossem filhos, E Galafura, depois do arroz doce, pôs-se confiada à espera da felicidade futura do casal. Esquecidos das manhas e artimanhas da vida, todos sonhavam para os dois a ventura que não tinham tido. Só o destino, fiel às misérias do mundo, sabia que fora reservado à Maria Lionça um papel mais significativo: ser ali a expressão humana dum sofrimento levado aos confins do possível. Torná-la imune à desgraça seria desenraizá-la do torrão nativo.
O polimento do Ruivo, em que a aldeia pusera tantas esperanças, delira-lhe apenas os calos gerados pelo rabo do enxadão. Não fizera dele o companheiro que a rapariga merecia. Engravatado aos domingos e de costas direitas o resto da semana, ao fim dos nove meses sacramentais, quando o Pedro nasceu, gordo, caladão, rosado, em vez de tirar daquela presença ânimo para se atirar às ]eiras, acovardou-se de uma boca a mais na casa, empenhou-se e partiu para o Brasil.
A Maria Lionça, essa, ficou. Como todas as mulheres da montanha, que no meio do gosto do amor enviuvam com os homens vivos do outro lado do mar, também ela teria de sofrer a mesma separação expiatória, a pagar os juros da passagem anos a fio, numa esperança continuamente renovada e desiludida na loja da Purificação, que distribuía o correio com a inconsciente arbitrariedade dum jogador a repartir as cartas dum baralho.
- O teu homem tem-te escrito, Maria? - perguntava o prior de Páscoa a Páscoa.
- Ele não, senhor. Há quinze anos...
Não acrescentava a mínima queixa à resposta. Fiel ao amor jurado, deixava que todos os encantos lhe mirrassem no corpo, numa resignação digna e discreta. Com o filho sempre agarrado às saias, como um permanente sinal de que já pagara à vida o seu tributo de mulher, mourejava de sol a sol para manter as courelas fofas e gordas. Depositária do pobre património do casal, queria conservá-lo intacto e granjeado. Se o outro parceiro desertara, mais uma razão para se manter firme e corajosa ao leme do pequeno barco.
- Nada, Maria? - O prior já nem se atrevia a alargar a pergunta.
- Nada. Respondia sem revolta ou renúncia na voz. Objectivava a situação, lealmente. O que sentia por dentro, era o segredo da sua serenidade.
Até que um dia o Ruivo deu finalmente notícias. Regressava. E Galafura solidária com a grandeza humana da Maria Lionça, dispôs-se a esquecer todas as ofensas e a receber festivamente a ovelha desgarrada.
Quem representava esse perdão colectivo e essa saúde da alma da terra era o Pedro, o filho, que ao lado da mãe, na estação de Gouvinhas, deixava a imaginação correr desenfreada pela linha fora até se perder nos últimos degraus da escada fugidia feita de aço e sulipas.
Infelizmente, o comboio que surgiu ao longe, avançou e passou junto dele a travar o passo, trazia dentro uma desilusão. O pai pareceu-lhe uma sombra esbatida da imagem recortada que sonhara.
- Seu moço está mesmo um homem 1 A voz rouca e dolente foi apenas a confirmação duma ruína que se lhe estampava no rosto esquelético, cor de palha. O Ruivo que ficara em Galafura, na caução dum retrato em corpo inteiro, era a saúde personificada. E o Ruivo que, escanchado sobre a cavalgadura que o conduzia, respirava - à sobreposse, só abstractamente se identificava com o original. Talvez para justificar essa desfiguração, culpado diante da mulher, do filho e dos montes eternamente arejados e limpos da Mantelinha, o renegado confessou tudo. Vinha doente e desenganado. Males ruins... Já lhe custava engolir. E aquela abafação a apertar, a ,apertar... Mas nada de aflições. Voltava só para morrer.
No hospital da Vila os doutores ainda lhe fizeram um furo no pescoço para o aliviar do garrote. Mais uns contos de réis, mas paciência. Galafura, na pessoa da Maria Lionça, se não podia apertar nos braços generosos um corpo comido dos vícios do mundo, queria que ele respirasse ao menos livremente o seu ar puro.
Um mês depois estava estendido sobre a cama onde noivara, imóvel, muito amarelo, muito seco, já com a alma a dar contas a Deus. E no dia seguinte, pela manhã, a boca do cemitério de Galafura, tragava-lhe os ossos descarnados.
Do rescaldo dessa mortalha singular, saiu mais viva ainda a figura de Maria Lionça. Nem o chorou fora dos limites do seu amor atraiçoado, nem se carregou dum luto para além da melancólica negrura que lhe apertava o coração. Manteve-se na justa expressão do sentir de Galafura, enojada e apiedada ao mesmo tempo. Digna e discreta, enterrou-o e começou a pagar os juros da operação. A trovoada não perturbou nem ao de leve o ritmo dos seus passos.
O filho, o Pedro, é que não resistiu ao desencanto. Envergonhado dum pai que lhe passara apenas pelos olhos como um fantasma de podridão, e sem poder abarcar a grandeza daquela mãe que fazia do absurdo o pão da boca, abalou piara Lisboa, sem Galafura saber a quê. E nova via sacra começou na loja do correio.
- Não tens nada, Maria. Velha, branca, igual, a Lionça voltava pelo mesmo caminho e sentava-se ao lume a fiar, pondo na regularidade do fio a estremada regularidade da sua vida. E Galafura, tanto ao passar para os lameiros como na volta, saudava respeitosamente nela uma permanência que resgatava a traição do marido e a fraqueza do filho. Como à mimosa familiar do adro, ou à fonte incansável do largo, assim a viam, segura e repousante no seu posto, e capaz de todos os heroísmos dum ser humano. O tempo dera-lhes a chave daquela existência, destinada, afinal, mais às provações do sofrimento do que ao gosto das alegrias. Só ela os podia esclarecer e ajudar no desespero de certas horas e situações.
Movediço como a insensatez da sua idade, o filho fizera-se marinheiro. E Galafura, humosa, enraizada no dorso da serra de S. Gunhedo, olhava esse rebento, mergulhado em água, como um proscrito. Antes o degredo do pai no Brasil, ao menos aproado a um chão que fazia parte da cosmogonia de Galafura. Diluída na imensidão do mar, a imagem do rapaz perdera toda a nitidez. E sumir-se-ia irremediavelmente na consciência da povoação, sem a ajuda da Maria Lionça. Quando inesperadamente chegou um telegrama da capitania de Leixões e ela partiu, é que viram todos como fora capaz, sózinha, de manter indelével a realidade do ausente. Se se metia a caminho, se enfrentava de rosto calmo a primeira viagem distante e o pavor da cidade, lá tinha as suas razões, que eram necessariamente razões de Galafura.
Tal e qual. No dia seguinte a aldeia viu com espanto e comoção que trouxera nos braços de sessenta anos o filho morto. Deram-lho no hospital, a exalar o último suspiro. Meteu-se então no comboio com ele ao colo, já a arrefecer, embrulhado numa manta, a pedir licença a todos, que levava ali uma pessoa muito doente. Arredavam-se logo. E assim conseguiu sentá-lo e sentar-se a seu lado.
Galafura quase que não compreendia como pudera com ele, embora fosse meão e magro.
O que é certo é que pudera, e sem lágrimas nos olhos lhe falava ternamente mal o revisor aparecia no compartimento.
- Dói-te, filho? Dói-te muito? Pois dói... Dói...
Encostava-o ao ombro, enrolava-lhe a manta nas pernas hirtas e mostrava os bilhetes.
Em Gouvinhas apeou-se. À porta da estação, o guarda arregalou muito os olhos, mas deixou passar. E daí a pouco, no macho do Preguiças, o Pedro subia a serra para dormir o derradeiro sono em Galafura, que era ao mesmo tempo a terra onde nascera e o regaço eterno de sua mãe. 
Miguel Torga, Contos da Montanha


publicado por Paulo Moreira Lopes às 20:47
Domingo, 03 de Outubro de 2010

 

 

Eis o domingo do nosso contentamento.


Subíamos os dois de mão dada a rua de Sá da Bandeira. Eu satisfeito pelo dever cumprido. Ele ainda incrédulo com o sucesso da jornada.

A iniciativa fora minha. Para se completar a caderneta ou íamos à feira da Vandoma ou à Praça dos Cavalos. Ele escolheu o domingo e a visita à baixa para trocar os últimos cromos do mundial.


A aproximação ao grupo estacionado em frente ao Rivoli fez-se de modo cauteloso, mas logo que nos denunciámos como interessados na troca passámos a integrar naturalmente as transacções. O primeiro parceiro ficou-nos com mais de trinta cromos e ainda nos pagou a 0,12€ cada um por não ter "repetidos”. A seguir foi uma sequência de trocas em que cedíamos os nossos "repetidos” a outros para conferirem os que faltavam e vice-versa. O Rooney, a dada altura, ficou reservado para um miúdo que alertou o pai da nossa presença. Até que a lista começou a ficar rara de "faltosos” e os interlocutores para a troca a ausentarem-se.

 

Partimos então para a compra.


Aqui entraram em acção os homens das malas. São umas malas fundas e repletas de cromos distribuídos por centenas. Bastava dar-lhes a lista que logo descobriam os faltosos. Já quase no fim, tinha de adquirir 25 cromos a 0,20€ cada, ou seja, teria de entregar 5,00€. Ele anuiu de imediato no negócio. Não se fez rogado e num ápice tirou-me a carteira do bolso de trás das calças e levantou na caixa multibanco 10,00€. Por ele o acordo era para ser celebrado com urgência. Só que eu tinha um dilema. Iria pagar 20 cromos novos e ficava com 40 "repetidos”. Para que serviriam aqueles 40 cromos? Solução final: o vendedor ficou-me com os 40 cromos a 0,10€ cada e eu recebi 20 cromos e entreguei ainda 1,00€. Estávamos quites e ele espantado com a operação financeira.

 

Mas ainda nos faltava um cromo da colecção. Quem o poderia ter, informaram os especialistas, seria o Carlos. E tinha mesmo. Como não possuía algum para troca ofereci 1,00€, mas só aceitou 0,20€. Regras são regras.


E pronto! A caderneta estava completa.


O rapaz não cabia em si de contentamento.

- Parece impossível! Eu nem acredito! – exclamava repetidamente enquanto nos íamos afastando da Praça.

Eu, feliz pelo dever cumprido e surpreendido com tamanha felicidade, olhava-o de cima e pensava:

- Este é o domingo do nosso contentamento.

 

31 de Julho de 2010


Publicado in Histórias mal contadas



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:44
Domingo, 03 de Outubro de 2010

É o ímpeto, a convulsão.

Miguel Torga, in Portugal, 7.ª edição, página 85



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:25
São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.
mais sobre mim
Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Histórias mal contadas (Pré-publicação)
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO
Visitantes