Domingo, 29 de Junho de 2014

  

MEMÓRIA descritiva: PRETO: depois de escrita a palavra o fundo fica de cor preta; CADEIRA: Saem todas as letras exceto o R, cuja cara desaparece, ficando a parte restante da letra (pernas e costas); COR: o C e o R passam a azul, enquanto O a vermelho; PEIXE: a palavra, a partir dos extremos do I, estica para cima e para baixo, até ganhar a forma de um peixe, e a pinta do I salta entre os braços do X e base do E e a seguir coloca-se a meio da palavra a representar o olho daquele; RODA: o O fica todo preto, a seguir cai para o fundo da caixa e depois sai da mesma a rolar.

 

 


publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:00
Segunda-feira, 23 de Junho de 2014

Os degraus (dois) sempre estiveram ali. Por o gradeamento ficar aquém do fim das escadas quem as descia se não estivesse com atenção dava sempre um passo em falso (e apanhava um susto). A solução, contou-nos o responsável, foi afixar no extremo dos últimos degraus uma fita de cor diferente da do pavimento.

 

Se não existisse o gradeamento, por certo, não haveria passos em falso. As pessoas sentir-se-iam inseguras e estariam mais atentas.

 

Se o gradeamento tivesse sido afixado até ao limite dos degraus, por certo, não haveria passos em falso. As pessoas confiariam, como foram habituadas a confiar, que as escadas terminariam no limite do gradeamento.

 

Como o arquiteto/engenheiro/serralheiro quis desafiar as leis da habituação acabou também por dar um passo em falso, uma vez que as grades tiveram de ser prolongadas à fita, o que ele nunca previu, desvirtuando a sua obra.

 

Centro Paroquial de Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia, 10 de junho de 2014.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:02
Domingo, 22 de Junho de 2014

  

MEMÓRIA descritiva: VIBRAR: as extremidades da palavra inclinam-se para baixo e para cima, alternadamente e em simultâneo; CIMA: depois de escrita a palavra, cada letra sobre até ao cimo da caixa; AUTOMÓVEL: os dois OO crescem e o seu interior torna-se preto formando dois círculos, saindo depois da caixa sobre rodas; FIM: a pontinha do I salta para cima de cada um dos ombros do M e fixa-se na base ao lado deste; BANCO: O A estica-se todo e ganha a forma de um banco, onde as outras letras (B+N+C+O) se sentam.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:00
Sábado, 21 de Junho de 2014

 

Foi em maio e na Sé que a Sara nasceu. De lá para cá, teve tempo para se licenciar em arquitetura e tirar um mestrado em Belas Artes. Por estes dias, vive à volta do berço, entre as cidades da Maia e de Gaia. Dá por assente que quando se dedica a construir imagens e narrativas o faz influenciada pela partilha de conhecimentos que teve com amigos, colegas, professores e profissionais. É um fruto da “Escola do Porto”. 



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:14
Quarta-feira, 18 de Junho de 2014

Vindimadores, que chegavam da Montanha sem sono, a cantar e a dançar, e que agora dormiam como lajes.

 

Miguel Torga, in Vindima, 5.ª edição, página 37.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:00
Terça-feira, 17 de Junho de 2014

 

 

O que para mim não passava de um desafio à autoridade, acabou por se revelar um caso de saúde pública.

 

Durante meses questionava-me como era possível o proprietário de um estabelecimento de velharias ter a carrinha diariamente estacionada em frente à garagem, ocupando um espaço superior ao correspondente à entrada daquela, sem que fosse interpelado pelas autoridades (polícia municipal ou de segurança pública).

 

O meu raciocínio era o seguinte: beneficiando o dono do estabelecimento do direito à rampa e consequente proibição de terceiros de aí estacionar, aproveitava-se daquela vantagem (impossibilidade de estacionamento) para fazer uso privativo do domínio público (espaço em frente à rampa) sem pagar qualquer compensação (taxa).

 

Para mim, estar-se-ia a pagar somente a taxa devida pela implantação da rampa (disponibilidade do acesso à via pública), mas usufruindo, ininterruptamente (a carrinha estava sempre ali estacionada) do espaço público que lhe permitia aceder à garagem, que, afinal de contas, estava preenchida com velharias, não permitindo o estacionamento no seu interior daquela carrinha ou de outro veículo.

 

Como a carrinha já constituía um prolongamento do interior da garagem, uma vez que também albergava velharias, o estabelecimento comercial expandia-se até ao domínio público.

 

Isto era o que eu pensava, mas pensava mal.

 

Num domingo à noite (1 de junho?), ao passear com o rapaz no local, deparei com o espaço público situado em frente à garagem e reservado ao estacionamento, delimitado por barreiras de proteção da C. M. de V. N. de Gaia.

 

Vim a saber, por intermédio dos condóminos do prédio ao qual pertencia a garagem, que no dia seguinte os serviços camarários iriam proceder à remoção de todos os objetos que o inquilino tinha depositado durante anos no interior daquela.

 

Em conclusão: o que se via à entrada da garagem era só uma amostra, pois o interior, constituído por cerca de 690 m2, encontrava-se totalmente atulhada com velharias (móveis, candeeiros e outros objetos de utilização doméstica).

 

Além disso, e ao contrário do que supus, a rampa já havia sido removida, dado que a garagem deixara de ter a utilidade normal (estacionamento de veículos) e passara a estabelecimento comercial. Nunca reparei na rampa. Só atentava no pavimento em blocos de pedra que ligavam a garagem à guia do passeio.

 

Os condóminos tinham razão: estávamos perante uma grave ameaça à segurança de pessoas e bens, atenta as características de combustível dos objetos que recheavam a garagem.

 

Na segunda feira seguinte (2 de junho?) começou então a limpeza da garagem, que ainda decorre, por sinal, e que o rapaz nos vai relatando quando chega a casa depois das aulas. No início, segundo ele, foi um grande aparato de polícias de ambos os lados da rua, mas aparentemente desnecessário, uma vez que o inquilino da garagem se mostrou colaborante no acarretar dos objetos para os contentores que estavam dentro das ditas barreiras de proteção.

 

Do que vejo, a carrinha já desapareceu, contudo as barreias ainda se mantêm. O despejo está para durar, presumo.

 

Analisando o caso à distância, acabei por passar do âmbito jurídico da situação (taxas e utilização privativa do domínio público), para o âmbito da saúde pública e privada.

 

Agora questiono-me: não estaremos, afinal, perante um caso de acumulação compulsiva?

 

Certo certo, é que nos últimos dias, e agora mesmo durante a redação deste texto, quando represento a limpeza da garagem e do espaço em frente à mesma, a produção da dopamina aumenta transmitindo-me uma sensação de bem estar, de limpeza, para ser mais preciso.

 

Vila Nova de Gaia, 16 de junho de 2014.


Índice:

publicado por Paulo Moreira Lopes às 22:46
Terça-feira, 17 de Junho de 2014

A terra pisada e babada de sumo tinha também um ar violado e descomposto.

 

Miguel Torga, in Vindima, 5.ª edição, página 37.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:00
Terça-feira, 17 de Junho de 2014

Mas ali, deitados sobre o chão esbraseado do Doiro, depois de um dia passado a cortar uvas maduras, um apetite de vindima daquele sonho não os deixava adormecer. 

 

Miguel Torga, in Vindima, 5.ª edição, página 38.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:00
Segunda-feira, 16 de Junho de 2014

E no lençol de palha centeia, estendidos ao deus dará, os corpos iam-se desenhando,…

 

Miguel Torga, in Vindima, 5.ª edição, página 38.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:00
Segunda-feira, 16 de Junho de 2014

Ela despertaria a velha Angélica, que ressonava ao lado e era como que o penhor da sua virgindade;

 

Miguel Torga, in Vindima, 5.ª edição, página 38.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 00:00
São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.
mais sobre mim
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

19
20

24
25
26
27
28

30


Histórias mal contadas (Pré-publicação)
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO
Visitantes