Domingo, 19 de Fevereiro de 2017

chema_madoz_gabardine.jpg

 (Chema Madoz)

 

- Pai, hoje estás vestido à pai?!

 

Será que nos outros dias visto à irmão?

 

Vila Nova de Gaia, 15 de fevereiro de 2017.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 23:06
Sábado, 11 de Fevereiro de 2017

Da recente hecatombe das aves existem duas versões: uma, a do suicídio em massa; a outra, da súbita rarefação da atmosfera.

 

A primeira versão é insustentável. O fato de todas as aves – da águia ao beijaflor – levantarem vôo – com as subseqüentes diferenças de altura – à mesma hora – meio-dia – deixa ver duas coisas; ou bem obedeceram a uma intimação, ou bem firmaram o acordo de menear-se nos ares para precipitar-se em terra. A lógica mais elementar nos adverte que não está em poder do homem operar tal intimação; quanto às aves, dotá-las de razão é todo um desatino da razão. A segunda versão terá que ser desconsiderada. Caso a atmosfera tivesse estado rarefeita, teriam morrido somente as aves que voavam nesse momento.

 

Há ainda uma terceira versão, mas tão falaz que não resiste à análise; uma epizootia, de origem desconhecida, as teria deixado mais pesadas que o ar.

 

Toda versão é inefável, e todo fato é tangível. No escoliasta há um eterno aspirante a demiurgo. Sua soberba é castigada com a tautologia. O único modo de escapar ao fato inelutável da morte em massa das aves seria imaginar que presenciamos a hecatombe durante um sonho. Mas não nos seria factível interpretá-lo, uma vez que não seria um sonho verdadeiro.

 

Só nos resta o fato consumado. Com nossos olhos as olhamos mortas sobre a terra. Mais que o terror que nos proporciona a hecatombe, enche-nos de pavor impossibilidade de achar uma explicação a tão monstruoso fato. Nossos pés se enredam entre a abatida plumagem de tantos milhões de aves. De pronto todas elas, como em um crepitar de chamas, levantam vôo. A ficção do escritor, ao apagar o fato, devolve-lhes a vida. E só com a morte da literatura voltariam a cair abatidas em terra.

 

Versão portuguesa retirada daqui: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/viewFile/30121/32006 (página 165)

 

Existe outra versão portuguesa de Rui Manuel Amaral publicada in O Grande Baro e outras histórias de Virgílio Piñera, da coleção Pedante, edição/livraria SNOB.

 

*

É para isto que serve a literatura.

 

Vila Nova de Gaia, 11 de fevereiro de 2017.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 23:29
Quarta-feira, 08 de Fevereiro de 2017

Sempre que precisamos de uma tesoura não a encontramos. É o pernas para que te quero, diz ela.


Índice:

publicado por Paulo Moreira Lopes às 19:24
Terça-feira, 07 de Fevereiro de 2017

A luz solar é muito independente, anda sempre sozinha, enquanto a luz elétrica gosta que lhe deem a mão.


Índice:

publicado por Paulo Moreira Lopes às 19:23
Terça-feira, 07 de Fevereiro de 2017

A poesia, tal como o amor, é um analgésico natural. O rótulo no frasco diz: "Restaura o assombro e a inocência."

 

Publicado in A poesia como arte insurgente, Relógio d'Água - janeiro de 2017, página 79.


Índice:

publicado por Paulo Moreira Lopes às 13:35
Segunda-feira, 06 de Fevereiro de 2017

Quando acendemos a luz apagamos o escuro.


Índice:

publicado por Paulo Moreira Lopes às 19:21
São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.
mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28


Histórias mal contadas (Pré-publicação)
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO
Visitantes