Sábado, 15 de Julho de 2017

chema-madoz-sopa-domino.jpg

 (Chema Madoz)

 

- Pai, achas que tenho barriga?

 

Acho. É um facto indesmentível.

 

V. N. de Gaia, 10 de julho de 2017.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 19:36

Chema-Madoz-3.jpg

 (Chema Madoz)

 

- Pai, achas que a Ministra da Administração Interna se devia demitir (fogos em Pedrogão Grande)?

 

Atirei à queima roupa: Sim. De imediato. Não se trata de culpa. Para apreciar a culpa existem os tribunais. Trata-se da incapacidade do Estado, representado pela Ministra, em proteger os seus cidadãos. É o Estado que está em causa e não a carreira política da Ministra.

 

V. N. de Gaia, 20 de junho de 2017.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 19:31
Sexta-feira, 12 de Maio de 2017

pedro_lopes.JPG

 (a partir do minuto 13)

 

- Pai, achas que estive bem?

- É assim: estiveste muito bem. Parabéns!

 

V. N. de Gaia, 8 de maio 2017.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 11:39
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017

chema_madoz_gabardine.jpg

 (Chema Madoz)

 

- Pai, hoje estás vestido à pai?!

 

Será que nos outros dias visto à irmão?

 

Vila Nova de Gaia, 15 de fevereiro de 2017.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 23:06
Domingo, 15 de Janeiro de 2017

mario-soares-1924-2017

- Pai, achas bem o António Costa não ter vindo ao funeral do Mário Soares?

 

Nem acho bem nem acho mal. Mas uma coisa é certa: daqui a uns anos ninguém se vai lembrar da visita do António Costa à Índia (ele com certeza deve ter muitas e boas recordações), mas todos se vão lembrar que o primeiro-ministro da altura, de filiação socialista, faltou ao funeral do Mário Soares.

 

Vila Nova de Gaia, 9 de janeiro de 2017.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 09:57
Sábado, 14 de Janeiro de 2017

chema madoz

 (Chema Madoz)

 

- Pai, sabes que o Fernando Alvim está na RTP Memória?

 

É uma pergunta insidiosa. Ele sabe bem que sou intolerante às piadas de tal personagem. Mas ainda bem (para ele e para nós) que passou à história.

 

Vila Nova de Gaia, 12 de janeiro de 2017.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 10:44
Domingo, 18 de Dezembro de 2016

ChemaMadoz_disco+pente

(Chema Madoz)

 

 - Pai, achas bem o que fez o Carlos do Carmo: dizer às pessoas para não aplaudirem enquanto canta?

 

Respondi de uma forma politicamente correta: o artista é soberano. E aventei uma explicação: talvez o cantor precise de ouvir os acordes senão adormece.

 

Vila Nova de Gaia, 8 de dezembro de 2016.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 12:19
Sábado, 10 de Dezembro de 2016

chema_madoz_cabeça_água

 Chema Madoz 

 

Paulo Santos:

- Pedro, o que é que o teu pai faz na piscina?

Pedro Lopes:

- Nada.

 

Será que o rapaz leu o microconto de Lygia Fagundes Telles: “Fui me confessar ao mar. O que ele disse? Nada.”?

 

Ou será que lhe li o poema de João Saraiva:

 

Filho de peixe

 

O pai, aterrado ao estudo.

Teve grande nomeada.

Foi sábio — sabia tudo…

E o filho que sabe? — nada.

 

O pai, talento expontâneo,

Tinha a faísca sagrada.

O filho coça no crânio,

Espreme os miolos — e nada!

 

Ninguém, portanto, se queixe

Da sentença popular:

“Filho de peixe

Sabe nadar!”.

 

 

Vila Nova de Gaia, 17 de julho de 2016 e 10 de dezembro de 2016.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 10:50
Domingo, 20 de Novembro de 2016

chuva_melancia

 (Sarah Illenberger)

 

- Pai, pensar incomoda como andar à chuva?

 

Incomoda mais. Incomoda tanto que muitas pessoas preferem deixar de pensar perante o mal que o pensar lhes causa. Enquanto se pode evitar o incómodo da chuva, a dor de pensar, ou melhor, a dor que nos causa certos pensamentos dificilmente se pode superar.

 

Há até quem seja apanhado em flagrante delitro a contornar os maus pensamentos.

 

Vila Nova de Gaia, 18 de novembro de 2016.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 15:17
Domingo, 14 de Agosto de 2016

rolo_pintar_chema_madoz

 Chema Madoz

 

- Pai, por que compras o jornal se tens as notícias todas na net?

 

Eu ainda sou do tempo do jornal em papel. Vou aproveitando enquanto há.

 

Vila Nova de Gaia, 8 de agosto de 2016.



publicado por Paulo Moreira Lopes às 11:44
São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.
mais sobre mim
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Histórias mal contadas (Pré-publicação)
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
Visitantes