Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias mal contadas

São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.

Histórias mal contadas

São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.

24.Ago.11

De escala

 

Logo que terminou a minha diligência judicial, em Penafiel, liguei-lhe para saber como estava. Lembro-me perfeitamente. Eu vinha a falar ao telemóvel na avenida principal, do lado oposto às epígrafes de Urbano Tavares Rodrigues. Tudo estava a correr bem, mas, disse-me ela, precipitada, tinha de desligar porque no outro telemóvel estava a receber uma chamada, muito provavelmente do tribunal, pois naquele dia estava de escala.


Assim seria.


Por mim, não pensei mais no assunto. Fiz a viagem de regresso com as mãos no volante, os olhos na plataforma da estrada e a cabeça no expediente que me aguardava no escritório.


Ao fim da tarde, quando íamos os três no carro para casa, na ocasião de pormos a conversa em dia, voltamos a falar da referida escala.


Eu fiz-me de ouvidor, enquanto o rapaz assumiu o papel de perguntador. Queria saber tudo sobre a convocatória da mãe para acompanhar o oficioso no tribunal. E, tim tim por tim tim, ela foi desenrolando os meandros daquela aventura judicial, com algumas interrupções para que ele pudesse ser devidamente esclarecido quanto ao modus operandi do processo. Ficou a perceber um pouco mais da legis artis da progenitora, mas sempre com novas interrogações.


Porém o dia não chegava para tudo e a conversa pedagógica cessou com a entrada na garagem colectiva.

 

Ainda dentro do automóvel, agora dirigindo-se também a mim, ela rematou o assunto com uma revelação, a qual foi precedida de um certo ênfase. Ficamos os dois curiosos. E ela prosseguiu emocionada.


Ao que parece, ou melhor, segundo o que nos informou, pois aqui o que parece é[1], estava presente no tribunal uma familiar do oficioso. Depois de concluído o serviço (com sucesso, pelos vistos), a senhora ter-lhe-á confidenciado:


- A senhora doutora não sabe o que rezei durante toda a noite para que aparecesse uma advogada como a senhora!? – e rematou – E fui atendida. Graças a Deus!


A reboque da citação pareceu-me ver os olhos dela a brilhar, mas fiz de conta, para não entornar a comoção. Saí do carro e fui abrir o portão da garagem individual.


Quando subíamos no elevador e estávamos todos mais relaxados, não pude conter a minha admiração adiada para aquele momento ascendente (que ainda hoje julgo ter sido o mais oportuno), e questionei:


- Quer dizer, então, que também estavas de escala lá em cima?


Bom, o resto não conto, pois ficou furiosa, como se eu estivesse a duvidar da versão dela, quer dizer, da senhora.


Atualizado em 27 de novembro de 2012.


[1] É como na política ou será como na religião?

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.