Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias mal contadas

São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.

Histórias mal contadas

São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.

06.Mai.14

Lugar mudo

Ela contou-me que uma conhecida lhe terá confidenciado:

 

- Vou sair de lá porque o lugar não me diz nada.

 

Será que o lugar é mudo?

03.Mai.14

PAPEL-PENSANTE: apresentação

Há o papel-moeda, o papel-bíblia, o papel-couché, o papel-higiénico, o papel mata-borrão, o papel reciclado e outros papéis que nos dispensamos de enumerar. Todos eles assim designados de acordo com a sua função ou características. Contudo nunca se deu a palavra ao papel para dizer de sua justiça o que pensa daquelas atribuições ou qualidades ou até saber do seu estado de alma. Para sermos sinceros, o papel do papel foi sempre muito passivo, absolutamente omissivo. Chegou por isso o dia de darmos voz ao papel. Tendo em conta a idade do papel, teremos muito a aprender com a sua experiência. E que dizer dos seus sonhos? Não podemos deixar que aqueles fiquem no papel (isto sem ofensa ao papel). É urgente concretizá-los. Que fale o papel!

 

Vila Nova de Gaia, 1 de maio de 2014.

02.Mai.14

Jorge Sousa Braga

 

À espera de ver ao longe os montes da Falperra e do Gerês, é assim que acorda, todos os dias, Jorge Sousa Braga. Natural de Cervães, concelho de Vila Verde, veio estudar medicina para cá e por cá foi ficando. Hoje sente-se viciado no Porto até aos ossos. 

Pág. 2/2