Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias mal contadas

São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.

Histórias mal contadas

São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.

19.Out.13

A prioridade

Como sei que naquele local a entrada é muito difícil, face à intensidade do tráfego, quando fui confrontado com a prioridade sugeri-lhe, com um gesto suave, para encaminhar o outro condutor.

 

O outro agradeceu, seguiu-a, entrou na minha fila, e a prioridade, de costas voltadas para mim, passou a orientar o veículo que entretanto apareceu em sentido contrário. Este e outros que entretanto surgissem iriam ser conduzidos por ela até não ter mais ninguém para orientar e passar a encaminhar-me a mim, que pretendia virar à esquerda.

 

Eu só tinha de esperar. Enquanto isso ficaria a apreciar a habilidade da prioridade a guiar os outros condutores. Nada se perde, tudo de aproveita, pensei.

 

Mas tal não sucedeu.

 

O que subia abrandou e, com um aceno discreto, sugeriu à prioridade para me acompanhar até ao outro lado. Ela deu meia volta e ficou de frente para mim. Reparei então que já não era a mesma de quando cheguei. Tinha agora um sorriso rasgado e gestos delicados. Irradiava uma alegria cujo contágio não pude esconder. Agradeci, segui-a e alcancei a outra estrada.

 

E assim vim à minha vida contagiado pela nova prioridade.

 

Braga, 10 de outubro de 2013.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.