Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2014

Rua da Estrada de Álvaro DominguesPara Álvaro Domingues, a estrada e tudo que a ela se pode referenciar, não se podem decifrar como quem lê um texto linear e estruturado. A estrada é um hipertexto em construção contínua (cfr: página 145).

 

Por isso, o autor dispõe-se a ajudar-nos a ler aquele hipertexto.

 

A imaginação do autor é diretamente proporcional à fantasia que margina (em alguns casos ocupa) a rua da estrada. Os factos retratados (retrato + tratado) são tão caricatos, absurdos, que a linguagem, para concorrer com os mesmos, é o mais metafórica possível.

 

Em resumo: é um livro de e sobre metalinguagem estradal.

 

Imperdível: a casa atropelada[1] (página 46) e a casa com piercing (cfr: página 55).

 

Novidade: eu pensava que a “Casa da Trofa” correspondia à “Casa dos Venezuelanos”. Ou será que a “Casa da Trofa” é a “Casa dos Venezuelanos” copiada e divulgada pelo Gabinete Técnico da Trofa (cfr: página 40)?

 

Omissão: não se abordou o Portugal convexo.

 

Proposta: falta acrescentar a noção de estrada ratada. É a estrada que, sendo demorada e sub-repticiamente ocupada nas suas margens (às vezes atinge a plataforma) por equipamentos (móveis e imóveis), acaba por se desvalorizar (como a moeda na idade média), de tal modo que é decidido construir uma Variante. Então passamos a ter: a rua da estrada ratada (as mais das vezes de sentido único) e a Avenida da Variante (cfr: página 157).

 

Vila Nova de Gaia, 12 de dezembro de 2014.

 

[1] Será que foi atropelada por um camião cheio de coincidências, má vontade, lapsos e aselhice?


Índice:

publicado por Paulo Moreira Lopes às 22:03
São factos do quotidiano, aparentemente sem qualquer importância, aos quais o autor dá a relevância do absoluto, do todo. É a sua obra-prima, sem prejuízo de outro entendimento.
mais sobre mim
Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

15
16
17
18
19

25

29
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO